Oficina de Fotografia Outdoor Rio de Janeiro

Corpus Crist - Dias 15, 16, 17 e 18 de Junho
Inscrições até: 18/06/2017
Investimento: R$ 1.450,00

Que tal participar de uma Oficina de fotografia Outdoor com Monique Cabral nas mais belas paisagens do Rio de Janeiro?

Será um fim de semana inteiro dedicado a fotografar "Entre o Mar e a Montanha" em uma imersão única no universo de criativo dessa fotografa profissional, sócia fundadora da Trilharte Fotografia e Aventura e com mestrado em fotografia documental no Royal College de Londres onde conquistou vários prêmios de fotografia.

Programação da Oficina

Clique nas abas abaixo para ver a programação de cada dia da Oficina.

  •  

    • A partir das 15h, apresentação na recepção do Hotel Acapulco no Leme para acomodação nos quartos (serviço do hotel)
    • Jantar de boas vindas.
    • À noite 20h - Conversa livre com a fotógrafa Monique Cabral, que fará visita guiada pela exposição fotográfica "Entre o Mar e a Montanha" de sua autoria, exposta no lobby do hotel, logo após, jantar de boas vindas (incluso).
  • Forte do Leme

     

    • 9h às 12h - Após o café da manhã, aula de apresentação Fotografia Outdoor no auditório do hotel com projeção de imagens.
    • Intervalo para almoço (não incluso).
    • À tarde 15h - saída para caminhada Leve (calçamento de paralelepípedos) em meio a floresta e vista para o mar, até o topo de Forte do Leme para aula de fotografia com cenário da praia Copacabana, Pão Açúcar e Niterói.
    • Noite livre.

     

    O Forte foi construído entre 1776 e 1799 por ordem do Marquês do Lavradio, quando o Brasil ainda era parte do Império Português. Era conhecido como o Forte do Vigia pois sua missão, devido a sua localização, era avistar com antecedência naves invasoras e avisar as Fortalezas de Santa Cruz e do Rio de Janeiro (na Urca). Um portal de passagem em pedra da época ainda pode ser visto no topo da Ladeira do Leme. O entorno do forte é mantido como Área de Proteção Ambiental (APA do morro do Leme) e, do seu alto, desfruta-se uma vista panorâmica incomparável da barra da Baía da Guanabara, da praia de Copacabana e suas ilhas fronteiras. O Forte foi reformado em 1895 e rebatizado “Forte do Leme”. Em 1918 recebeu os canhões Krupp de 280mm (fabricação alemã). Em 1935 foi renomeado como Forte Duque de Caxias, como homenagem a este grande general brasileiro.

     

    O Forte do Leme está preservado como era nos anos 20. A fortaleza era parte do sistema defensivo na época em que o Rio foi capital federal. Construída em forma de bunker, com grossas paredes e tetos, pode-se caminhar por dentro e ver as diversas partes interiores, incluindo centro de controle, paiol de munição, estação de força e seus enormes canhões que eram capazes de atingir áreas adjacentes e navios a longa distância para proteger a soberania de invasões em tempos passados.

     

    Apesar de ser gerida pelo exército, não é mais uma fortificação militarmente ativa e as partes mais modernas do complexo ficam no sopé do Morro do Leme.

  • Morro da Urca

     

    • 5h às 8h30 - Saída para fotografar o nascer-do-sol na Praia Vermelha com orientação da fotógrafa. Retorno ao hotel para o café da manhã e bate-papo sobre as fotos.

    Na Praia Vermelha podem ser vistos cristais de granada em suas areias; ela é assim chamada porque a areia fica avermelhada quando o sol nascente tem sua luz refletida nos cristais vermelhos e rosas. Lá há diversos monumentos históricos. Na própria praia há uma estátua de Chopin. Na praça General Tibúrcio, atrás da praia, ficam o Monumento aos Heróis de Laguna e Dourados e o Monumento aos mortos na Intentona Comunista.

    • Retorno ao hotel para café da manhã
    • Restante da manhã livre - Com sugestão de banho de mar pertinho do hotel
    • À tarde 15h às 20h - subida ao Morro da Urca pela Pista Cláudio Coutinho e em meio à floresta por trilha bem estruturada à visitação pública para fotografia Noturna | classificação Leve / moderada |
    • opcional subida de bondinho (valor não incluso - deve ser escolhida essa opção no instante da inscrição)
    • Noite livre

     

    Existe uma trilha bem estruturada para uma caminhada leve até o topo Morro Urca, que é o mirante da primeira parada do Bondinho do Pão de Açúcar. Lá há diversos monumentos históricos. Na própria praia há uma estátua de Chopin. Na praça General Tibúrcio, atrás da praia, ficam o Monumento aos Heróis de Laguna e Dourados e o Monumento aos mortos na Intentona Comunista.

     

    Para quem está em forma, chega-se ao topo em média em 30 à 40 minutos. Como vamos fotografando podemos levar até 1 hora e meia caminhando tranquilamente morro acima, chegando ao cume em tempo para avistar o pôr do sol.

    O caminho bem marcado fica o tempo todo sob a sombra de árvores o que ameniza o esforço. Durante todo o trajeto existem muitos obstáculos como pedras, galhos e raízes, o que requer atenção redobrada de todos e um gosto por aventura. Um calçado adequado para trilhas, com solado aderente é essencial para um bom desempenho do caminhante.

     

    Um lanche leve composto de barrinhas de cereal, fruta e água (500ml) será oferecido no início da caminhada para que cada participante carregue o seu, portanto uma mochila também é bem vinda. Embora a descida seja mais fácil, vamos descer de bondinho, sendo gratuita somente após as 20 horas. Mesmo assim é importante levar uma lanterna, caso haja mudança de planos!

  • Morro do Sacopã

     

    • Domingo - Após café da manhã, saída para caminhada até o topo do Morro do Sacopã na Lagoa Rodrigo de Freitas. Teremos uma vista linda da lagoa com os morros Dois Irmãos, a Pedra da Gávea, o Parque Nacional da Tijuca, e o Corcovado ao fundo. A trilha bem marcada nos leva aos mirantes do Sacopã e Morro do Urubú. Com tempo médio de 40 minutos em ritmo lento de caminhada por 1400m, chegamos à uma altura de 130m, de onde temos uma vista privilegiada dos arredores. | classificação Leve |
    • Almoço em Ipanema (não incluso)
    • Retorno ao hotel via Lagoa
    • À tarde 16h - Encerramento com análise das fotos.

     

    As montanhas ao redor da Lagoa Rodrigo de Freitas presenciaram o cotidiano dos índios e da vida selvagem. Viram também a transformação dos ambientes naturais em áreas urbanas, que levaram à extinção incontáveis espécies animais, vegetais e de povos humanos. O parque da Catacumba ganhou esse nome devido a relatos de que os índios enterravam seus mortos no local, desde antes da chegada dos portugueses no Brasil.

     

    No início do século XX, o local já era conhecido como Chácara da Catacumba, pertencente à Baronesa da Lagoa Rodrigo de Freitas, que teria deixado em testamento suas terras para seus ex-escravos, que passaram a ocupá-las após sua morte.

    Os primeiros casebres surgiram na década de 30 e em 1942, com a chegada dos migrantes do Maranhão, virou uma grande favela.

     

    Em 1964, Carlos Lacerda iniciou um processo de desmanche das favelas, removendo seus habitantes para “Conjuntos habitacionais”, como Vila Kennedy e Cidade de Deus. Em 1970, na gestão de Negrão Lima, a favela foi removida e batizada de “Parque Carlos Lacerda”, em homenagem ao seu antecessor. A inauguração foi em 1979, pelo então prefeito Marcos Tamoyo.

     

    Depois da remoção da favela, o morro passou por um processo de reflorestamento e daí a natureza encarregou-se do resto.

Maiores informações:
(21) 3596-1577 / (21) 98450-9337 atendimento@trilharte.com.br


Detalhes

Próximo Evento Corpus Crist - 15, 16, 17 e 18 de Junho
Dias Quinta, Sexta, Sábado e Domingo
Número de Alunos Mínimo 5 e máximo 12
Incluso Jantar de boas vindas, Lanches de trilha para as caminhadas, Hospedagem em hotel três estrelas com café da manhã, no Leme pertinho da praia, 7 aulas com a fotógrafa Monique Cabral, 4 passeios fotográficos
Investimento R$ 1.080,00 - Preço Promocional até o dia 09 de Junho
Inscrição + Hospedagem R$ 1.450 - em Hotel Acapulco no Leme 4 estrelas
Pré-Reserva  R$ 435 (representa 30% do valor integral até o dia 13/06)

Veja os "Termos e Condições Gerais"

Escolha uma das opções abaixo e clique para se inscrever!